quarta-feira, junho 07, 2006

Nem centimetro nem metro!

Depois do comentário do amigo trofense anonymous sobre o Metro achei por bem dedicar um post ao famoso meio de transporte que se vê passar na televisão!

Não vai ser agora nem hoje porque primeiro preciso de arranjar informação sobre o mesmo. Se algum dos pouquissimos leitores tiver algo que gostasse de ver incluido nesse post faça o favor de o encaminhar para mim ou colocar nos comentários.

O meu obrigado e até breve.

PS: Um desabafo, agora que sou obrigado a andar em desvios cheguei à conclusão que a Trofa tem a pior rede de estradas de Portugal e quiçá do Porto! Estradas de paralelos aos altos e baixos, "lombas" devido a obras, tampas acima ou abaixo da estrada e reparações que parecem feitas por um trabalhador de fim-de-semana. Tudo o que é necessário para desalinahr direcções, provocar barulhos nos carros e desconforto nos condutores.

16 comentários:

monge_galileu disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
monge_galileu disse...

podes crer que nesta altura a trofa ta um caos..pa sair de casa e chegar a qualquer lado é um inferno...esperemos que no fim das obras saia alguma coisa de jeito!

quanto ao metro avança...ja que ele nunca mais ca chega :)

Reise disse...

E ontem à noite descobri que está transito proibido na rua D.Pedro V entre a rotunda e os semáforos no sentido Trofa-Porto.
Alguém sabe o que vai sair dali?

Anónimo disse...

e a trofa e linda tra la la!
(alguem sabe o resto da cantilena?)

Anónimo disse...

Trofa, cidade do 3º mundo! so monos de cimento armado e ruas estreitas!

Reise disse...

Alguém consegue me mandar fotos das obras ou de buracos ou de qq coisa que ache que está mal para eu colocar aqui?
Se tiver fotos sempre é melhor para comentar...

Anónimo disse...

Olá a todos, sobre o tema metro deixem-me fazer uma analise de todo o problema que se vem desenrolando desde 1997 mais coisa menos coisa, quem acompanhou todo o processo das obras CP/Refer, cedo se apercebeu que começou logo de inicio a meter politiquice de trazer por casa em todo o seu desenvolvimento senão vejamos:
A Trofa queria ser concelho a todo o custo, e por tal havia que arranjar um bode expiatório para todos os males, chamado caminho-de-ferro, esse causador da divisão ao meio da cidade e culpado de todos os estrangulamentos viários, as obras iniciaram-se ficando apenas o troço entre a Sra. das Dores e a ponte metálica de Lousado, tal como era há 50 anos atrás e tivemos direito aos seguintes brindes:
Um apeadeiro psicadélico feito em tubos metálicos e tapetes verdes.
Um outro mais abaixo construído de raiz que apenas teve serventia durante alguns dias, e actualmente está ao mais completo abandono, a mercê de vândalos e toxicodependentes, inclui um terreno amplo que seria o parque de estacionamento e que agora serve para deixar entulho e lixo, a passagem inferior também lá está sem qualquer serventia, e iria substituir a PN mais acima tornando o transito mais fluido, avançando até mais a frente deparamos com a ponte da EN 104, que iria ser construída uma totalmente nova, mais larga, oferecendo maior comodidade aos peões e veículos que ali circulam, se repararem bem a actual ponte já tem os ferros do cimento a mostra! Os passadiços que actualmente tem a linha no centro iriam ser suprimidos e dar lugar a passagens superiores e/ou inferiores para peões e pessoas de mobilidade reduzida, quem tiver filhos que experimente passar com um carrinho de bebe, e veja a ginástica que tem que fazer e por vezes pedir a alguém que de uma mãozinha!
A estação da Trofa iria ter plataformas mais amplas e com toda a comodidade para os passageiros tanto em dias de calor como de Inverno, fomos brindados com plataformas de tubos de ferro e tapetes verdes, Ah! Recomendo esperar pelo comboio a partir das 21/22h! Emocionante! Já agora fica o alerta: a sala de espera e a bilheteira já fecharam de vez! Agora quem quiser que se desenrasque!
O pontão do ciclo iria ser alargado e oferecer muito melhores condições de circulação para o trânsito, e experimentar passar por lá em horas de ponta… e no Inverno nem se fala… Outro ex-libris é a famosa ponte seca das cavadas, que quem vê aquilo ate mete dó, toda velha e ferrugenta! Ali iria nascer uma outra ponte decente e que seria um óptimo acesso ao hospital da Trofa, e assim descongestionar o já caótico centro da Trofa.
Para terminar deixo a seguinte reflexão:
«Quando em 1875 foi inaugurada a Linha do Minho, havia mais caminho-de-ferro do que Trofa; foi o caminho-de-ferro que permitiu que o progresso ali chegasse; o velho povoado foi crescendo, desordenadamente, ao longo da linha; veio a especulação imobiliária a que os políticos deram a sua bênção; fruto dessa especulação, o caminho-de-ferro foi ladeado – “cercado” seria a palavra exacta – por um casario imenso; o comboio, com o correr dos tempos, modernizou-se; o ciclo do progresso não parou; e então, os políticos, mediocremente e para esconderem os erros acumulados, decidiram atribuir ao caminho-de-ferro, a que tudo devem, as culpas de o povoado estar partido em dois…»

Da revista Bastão Piloto da Associação Portuguesa dos Amigos do Caminho-de-ferro (APAC) Ano 2004 nº 219 – Manuel Luna

Reise disse...

anonymous não arranjas fotos dos apeadeiros, do cimento estragado da ponte, etc para colocar aqui?

Anónimo disse...

arranjo as q quiser, so tenho que as procurar no hd do meu pc!

Anónimo disse...

Boa tarde, entrei pela primeira vez neste blog e desde já tenho de dar os parabéns ao seu criador. Faz falta um painél de discusão na n/ terra.
Li que o objectivo deste blog seria evocar espectos positivos e negativos deste concelho. No entanto, os comentários que li só se referem a aspectos negativos. Será que nesta terra não acontece nada de positivo que mereça referência neste espaço?

Anónimo disse...

"Trofa, cidade do 3º mundo! so monos de cimento armado e ruas estreitas! "

Não posso ficar indiferente a este comentário. Por acaso também acho que a Trofa não é a melhor referência em termos urbanísticos, nem por sombras. Mas de quem é a culpa? Será só dos políticos que autorizaram desde há décadas até a esta parte, obras sem qualquer enquadramento urbanistico e arquitectónico?
Não me parece porque eu ainda hoje continuo a ver nesta santa terra o parolo que tem a casa no meio do campo a relatar por não lhe ser concedida autorização para construir a casa para os filhos em zonas de Reserva Agricola ou Ecológica! E depois lá vai contruindo o barraco ilegal e espera uns anos para exigir às juntas a abertura da estrada e respectiva pavimentação e mais... a isto junta-se a maior arrogância e toda a razão do mundo.
Sabem que mais?
O que aqui falta é sentido de cidadania meus caros, é respeito pelos outros e capacidade de adaptação a novas realidades que o urbanismo traz consigo!!! Quisemos ou não ser cidade? Ainda me lembro de sermos uma Vila e termos explodido de alegria quando passamos a cidade. Será que ninguém se lembrou que essa carga exigia uma outra configuração espacial, que isso iria implicar na nossa forma de contruir, de estacionar, de andar a pé, de viver???

Reise disse...

Vou tentar responder aos dois últimos anónimos numa mensagem.
Isto está cheio de aspectos negativos porque não encontro aspectos positivos principalmente para quem anda na estrada, não estou a dizer que não os haja mas estes foram o que me marcaram mais. Se conheceres algum podes dizer que eu publico, não tenho problemas com isso!
Quanto ao urbanismo, se dizes isso assim talvez tb aches bem o Siza ter "limpado" a Av. dos Aliados de toda a verdura e lugares para as pessoas se sentarem.
Achas bem fazerem uma exposição como está a acontecer no parque da N.Sra. das Dores mas não existe sitio para as pessoas estacionarem?
Achas bem que se virares para o parque vindo do Porto e depois queiras voltar para o Porto tenhas de ir à rotunda do catulo para fazer inversão de marcha?
Só para dar mais um exemplo da má "urbanidade" é a estrada Trofa-S.Tirso. Esteve fechada quanto tempo para saneamento e semáforos? Quantas tampas na estrada tem de se passar por cima entre o Catulo e a entrada da A3? Porque é que está outra vez fechada ao trânsito?

Anónimo disse...

raise

Boa tarde


Começando por responder às tuas questões.

Não sei em que ponto do meu comentário me remeto para a defesa das intervenções do Siza...
Se foi essa a interpretação que conseguiste fazer, lamento mas acho que é imaginação a mais, aliás a isso se chama especular!
Não sei se percebeste mas o meu comentário era justamente irónico face à necessidade que as pessoas têm de transformar zonas de reserva em zonas urbanas!

Sobre o problema do trânsito nada o dizer. É legítima toda e qualquer manifestação. Mas também louvo a atitude de finalmente haver quem ache que o saneamento é imprescindível para a construção deste concelho. Pena é que não tenhamos redes alternativas. É um facto! Mas esse é também e na sua maioria uma decisão do governo central que considera tanto a Trofa de tal modo que inclui a construção do metro para este ano nas grandes opções do plano, erradamente. Assim também deve fazer quanto à construção de estradas alternativas!

Quando falo em qualidade arquitectónica e urbanística não falo apenas nas estradas e nas tampas das estradas. A minha consideração sobre o tema é bem mais profunda!

Sobre a rotunda do Catulo, acho muito bem. Não tens de andar assim tanto como isso e para o condutor é bem mais confortável seguir para a rotunda na sua mão do que ter de atravessar duas vias. Esse tipo de condicionantes vemos em todas as cidades e não reclamamos. Acho que temos finalmente de aprender a viver na cidade.

Sobre o estacionamento no parque acho mal que esteja condicionado mas dou-te um conselho para poderes estacionar durante estas 3 semanas de festas. Entre os dois parques (Sr.ª das Dores e Lima Carneiro) existe uma rua por sinal bem arborizada com grandes sombras onde o estacionamento é gratuito. Experimenta andar mais um bocadinho e estaciona lá!

Só mais uma observação para terminar. Todos conhecemos a festa de N.ª Sr.ª das Dores, é centenária e marca da Cidade da Trofa. Que me lembre nessa altura o estacionamento também é interdito no parque e abrange uma maior área. Porque será que nesse caso ninguém se queixa e só ouvimos queixas das organizações mais recentes?

Um bem haja a todos.

sarah_ the_fófi_one disse...

Estava só de passagem, vi este post e decidi comentar. Sei que não é um post recente mas em relação à questão de ter que ir à rotunda para voltar para o Porto, isso não é de todo necessário. Se continuar pela rua paralela ao parque (se não estou em erro é a Rua Abade Pedrosa, ou uma coisa assim parecida) vai dar à Rua D. João VI e daí à EN14 de volta para o Porto. Não se gasta tanto combustível, nem paciência (porque sabemos quanto tempo pode demorar chegar do parque à rotunda) e é bem mais rápido.
Mais, os habitantes do edifício D.Pedro V e das habitações na mesma rua, se quiserem ir para a rotunda também têm que ir dar a volta às "alminhas". São situações do dia a dia numa cidade onde existem ruas de sentido único e de sentido proibido. Não pode ser tudo à feição de cada um.
Cumprimentos

Reise disse...

Sarah, o que dizes só é possivel à pouco tempo, pois antes havia uma placa de obrigatoriedade de virar à direita quando se chegava à N14.
Mas como já disse no blog, eu agora estou fora da Trofa e como só lá vou de vez em quando só insulto as autoridades de vez em quando! :)

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!